Assinar
Sociedade

Flor em vias de extinção com direito a microrreserva nos Pousos

A “leuzea longifolia” é uma flor rara, endémica de Portugal e em vias de extinção. Quem desconfiaria que existe, no lugar de Azabucho, nos Pousos, concelho de Leiria, um santuário dela?

Quem pouco ou nada sabe sobre a diversidade da flora nunca adivinharia que a “leuzea longifolia” é uma flor rara, endémica de Portugal e em vias de extinção. Muito menos desconfiaria que existe, no lugar de Azabucho, nos Pousos, concelho de Leiria, um terreno com dez mil metros quadrados onde crescem cerca de mil indivíduos da mesma espécie.

Algo inédito que levou a associação ambientalista Quercus a constituir uma microrreserva, numa zona com 36 hectares classificada como Sítio de Importância Comunitária de Azabucho-Leiria no ano 2000 para proteger a dita planta.

A “leuzea longifolia” surge apenas na primavera na zona oeste de Portugal (fotografia: Liliana Marques)

Isto no âmbito do projeto Rede Natura para a preservação de habitats naturais e espécies de flora e fauna. Foi um mero acaso que levou alguns responsáveis da Quercus a passar junto ao terreno, encravado entre áreas de expansão urbana, numa altura em que o proprietário se preparava para revolver os solos e plantar eucaliptos com recurso a maquinaria pesada, contou ao REGIÃO DE LEIRIA Paulo Lucas, do Núcleo Regional do Ribatejo da Quercus.

Após vários contactos e negociações, a associação conseguiu, em meados do ano passado, adquirir o hectare onde está confinada a leuzea longifolia. Vedou entretanto o terreno e já começou a limpar, com apoio de voluntários, os resíduos florestais existentes.

“Há aqui muito trabalho a fazer no que toca à gestão da vegetação arbustiva que tem tendência a crescer e a dominar”, revela Paulo Lucas, acrescentando que o sítio de Azabucho caracteriza-se por um “ambiente muito raro”, onde corre uma nascente que propicia as condições ideais para o aparecimento da planta e de outros habitats pouco comuns na zona.

Um local que não pretende ser de visitação. “É um espaço que requer recato e pouca perturbação”, adianta ainda, sublinhando o papel da Câmara de Leiria, Junta de Freguesia dos Pousos, Instituto de Conservação da Natureza e Florestas e proprietário para este desfecho que “orgulha imenso” a Quercus:

“Conseguimos chegar a um final que não é comum e está toda a gente de parabéns porque conseguimos salvaguardar esta espécie”.

E foi com agradável surpresa que os dirigentes da Quercus se depararam com a atribuição do nome Rede Natura à rua que dá acesso à microrreserva. “Uma forma de homenagear todos aqueles que no dia-a-dia se esforçam por preservar a biodiversidade na Rede Natura 2000”, sustenta a associação.

(Notícia publicada na edição de 30 de maio de 2013)

Martine Rainho
martine.rainho@regiaodeleiria.pt

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.