Select Page

“O fogo parecia o inimigo” a destruir tudo à sua volta

Nos concelhos de Pedrógão Grande e Castanheira de Pera, mas também em Figueiró dos Vinhos, o cenário é indescritível, muito para além do que palavras como “inferno”, “mar de chamas” ou “dantesco” podem descrever.

António Martins, emigrante na Suíça, tem uma casa em Adega, no concelho de Pedrógão Grande. A habitação escapou, mas tudo o resto ardeu – vinha, árvores de fruto e um curral de animais. “O fogo parecia o inimigo” – esta é a expressão que para o homem, de 56 anos, porteiro num hotel, melhor explica a forma como as chamas se propagaram repentinamente.

Há casos de filhos e pais que faleceram no interior de carros, de jovens que perderam os pais – nos cafés, nos pontos de socorro e nas aldeias quase toda a gente conhece vítimas ou perdeu algum ente querido no fogo que ainda continua a esta hora com frentes ativas.

As aldeias de Pobrais e Nodeirinho são exemplo da violência da tragédia: perderam duas dezenas de habitantes; sete que viviam na primeira e entre 14 e 16 que habitavam na segunda. E a amalgama de carros na estrada que liga Castanheira de Pera e Pedrógão Grande (EN236) esconde um tragédia inimaginável: 30 pessoas perderam a vida, incluindo crianças; nalguns casos famílias que regressavam de um dia passado na Praia das Rocas.

A falta de água e de eletricidade foram duas das dificuldades enfrentadas pela população, que só com o amanhecer de hoje começou a perceber a dimensão da tragédia: dezenas de carros queimados e igual volume de casas destruídas, cadáveres nas estradas e no interior de carros e habitações.

A escassez de meios suficientes para acudir a todos os que precisavam de socorro também foram evidentes, mas a dimensão e rapidez dos incêndios será a principal explicação para uma resposta mais correspondente às necessidades dos habitantes.

Hoje, em paralelo ao avolumar dos números da tragédia, muitas centenas de pessoas mobilizaram-se para ajudar os operacionais que combatem as chamas, nomeadamente levando-lhes água, sumos, leite e outros bens alimentares. Este movimento de solidariedade estende-se também aos habitantes que perderam uma vida de trabalho em poucos minutos de inferno.

As populações relatam a ocorrência de ventos muito fortes e trovoadas secas como causa dos incêndios que lavram desde sábado em Pedrógão Grande, no nordeste do distrito de Leiria.

Morreram 61 pessoas e ficaram feridas 58, a esmagadora maioria apanhada pelas chamas no interior de carros, quando procurava fugir das chamas que destruíram dezenas de casas em diferentes aldeias.

Carlos Ferreira

Jornalista

carlos.ferreira@regiaodeleiria.pt

Joaquim Dâmaso (fotografia)

Jornalista

joaquim.damaso@regiaodeleiria.pt

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

Concorda com a implementação de transportes públicos gratuitos nas cidades?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo

Guia do Fim de Semana


Subscreva o nosso guia e descubra as melhores propostas culturais e de entretenimento disponíveis na região

Obrigado! Subscreveu com sucesso o nosso guia de fim de semana.

Guia do Fim de Semana


Subscreva o nosso guia e descubra as melhores propostas culturais e de entretenimento disponíveis na região

Obrigado! Subscreveu com sucesso o nosso guia de fim de semana.

Share This