Select Page

Performance coreográfica e artes plásticas têm encontro marcado em Leiria

Texto: Manuel Leiria Fotografias: Gil Álvaro de Lemos

É possível misturar dança e artes plásticas? Para um leigo, parecem artes de diluição difícil, como a água está para o azeite. Desde os anos 70 do século passado, contudo, que se estudam as potencialidades da coreografia em espaços como galerias e museus. Em Leiria, o exercício ganhou forma nos últimos meses na livraria Arquivo, com Inesa Markava.

“Há muitas coisas que não estão resolvidas, como a questão da luz, da acústica ou da participação das pessoas que entram e passam”, explica a bailarina bielorrussa, há vários anos a morar em Leiria. As variáveis que o habitat de uma exposição propicia são terreno fértil para a experimentação que Inesa tem desenvolvido na pequena galeria da livraria.

A “alquímica” junção da dança com as artes plásticas seduzia-a há muito. Conheceu “Dancing around the bride”, do compositor John Cage, do coreógrafo Merce Cunningham e do artista visual Jasper Johns, a partir de “Bride”, um quadro de Marcel Duchamp, de 1912.

Também descobriu as visitas de Leonor Barata, no Museu Grão Vasco, em Viseu. Até que pensou: “Vamos experimentar uma vez!”. Assim surgiu a primeira visita dançada na livraria Arquivo. “Felizmente estamos na nona edição”. A décima realizou-se após esta entrevista.

A cada exposição que a Arquivo apresenta mensalmente, antes da visita dançada, Inesa Markava estuda as obras a vários níveis. “Tento sentir o que transmitem, que música consigo imaginar com este quadro, que cores, que materiais…”. Depois cria uma performance, desafiando ainda o público infanto-juvenil a participar numa oficina de artes plásticas no final, com materiais relacionados com o trabalho dos artistas.

“O melhor feedback é quando os meninos ficam meia hora, a explorar os objetos”. Os artistas também se impressionam. “Dizem-me: ‘Como é que percebeste que isto liga com isto’? Isso para mim é tão gratificante, porque afinal resulta”. E para o
público? “A dança é tão abstrata que as pessoas conseguem ver outras coisas, a partir da interpretação do movimento”.

Em junho, Nelson Melo assistiu à leitura que Inesa fez da sua exposição (uma parceria com Lara Portela). No final, o artista reconheceu a surpresa. “Aqui houve uma amplificação da proposta que estava ali feita. Cada peça é uma proposta de pensamento. Ela abriu um leque de pensamentos. Se se pudesse fazer mais vezes, seria fantástico. Se pudesse, faria sempre estas visitas nas minhas exposições”.

Mas nem tudo é fácil. Na primeira sessão não houve inscrições. “Pensei: não fazemos. Mas avançámos com uma performance,
para depois vermos se as pessoas têm curiosidade”. Valeu a pena: a visitas têm despertado atenções do público mais sensível.

Em agosto param, regressando em setembro. A relação entre a dança e as artes plásticas está a ser encarada por Inesa Markava seriamente. Há um ano que é doutoranda em arte contemporânea na Universidade de Coimbra – Colégio das Artes.

O tema é precisamente a dança contemporânea como mediador entre a exposição e o visitante. “Espero descobrir o caminho de como a dança ajuda a interpretar e a trazer mais público para as galerias de arte”. Até lá, a livraria Arquivo é o seu laboratório, aberto ao público de Leiria.

Domingo, 16 de julho, há uma visita dançada especial à exposição “Pa.Pele”, de Sandrine Vieira. Às 16 horas, na livraria Arquivo

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

As autarquias deveriam aplicar coimas aos feirantes pelo lixo deixado no recinto dos mercados de rua?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo