Assinar
Sociedade

Mais de duzentos bombeiros combatem as chamas em Porto de Mós

Mais de duas centenas de bombeiros combatem as chamas na zona de Alvados, Porto de Mós, em pleno Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros.

Mais de duas centenas de bombeiros combatem as chamas na zona de Alvados, Porto de Mós, em pleno Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros.

O fogo deflagrou na tarde deste domingo, dia 20, e o alerta foi dado pelas 16h50. De acordo com os dados da Autoridade Nacional de Proteção Civil, estão (às 15h45) 226 homens envolvidos no combate das chamas, sendo que estão igualmente mobilizados 69 veículos e sete meios aéreos.

Ao meio da manhã, João Salgueiro, presidente da Câmara de Porto de Mós, adiantava que a situação estava controlada, muito graças ao apoio dos meios aéreos – como se pode constatar na foto – e ao esforço dos bombeiros no local.

No local, a reportagem do REGIÃO DE LEIRIA constatou, esta manhã, que as chamas lavram numa zona onde predomina o mato, sendo determinante a ação das aeronaves que estão envolvidas no combate às chamas que, ao final da manhã, contavam com uma frente a algumas centenas de metros das grutas de Santo António.

“Apesar de as coisas estarem controladas, estamos apreensivos, porque a qualquer momento as condições meteorológicas podem alterar-se e soubemos que o vento poderá mudar daqui a algum tempo”, disse à agência Lusa o autarca.

João Salgueiro adianta ainda que durante a madrugada o vento mudou e “houve duas a três casas em risco, mas teve-se a sorte de o vento voltar a alterar de direção”.

Por precaução, um grupo de jovens que se encontrava numa colónia de férias na Quinta da Escola, em Alvados, foi levado para o Centro de Ciência Viva do Alviela, no distrito de Santarém. 
Contudo, de acordo com João Salgueiro, esta manhã o autocarro da Câmara foi buscá-los para regressarem a Alvados.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.