Assinar Edições Digitais

Câmara da Marinha Grande quer variante em troço da A8 sem portagens

Um troço da autoestrada 8 (A8) poderá vir a funcionar como variante à Marinha Grande, sem pagamento de portagens. Pelo menos, essa é a intenção do município que anunciou ter já apresentado essa proposta à concessionária daquela via.

Um troço da autoestrada 8 (A8) poderá vir a funcionar como variante à Marinha Grande, sem pagamento de portagens. Pelo menos, essa é a intenção do município que anunciou ter já apresentado essa proposta à concessionária daquela via. Segue-se o contacto com o Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT) para indicar a pretensão da Câmara.

Os planos municipais passam por “isentar a portagem entre o nó da autoestrada na zona industrial e o nó de Marinha Grande Este, em Albergaria, para contarmos com aquele troço da autoestrada como variante à Marinha Grande”, revelou Carlos Caetano, vice-presidente da Câmara, na reunião do executivo de dia 11.

Os planos da autarquia foram apresentados recentemente à concessionária. A medida pretende “evitar que os veículos pesados que andam entre as zonas industriais de um lado para o outro, usem a cidade, utilizando a autoestrada de forma gratuita”, explicou, admitindo que a concretização desta pretensão “não é fácil”.

Um dos argumentos da autarquia assenta no facto de se tratar de uma zona onde será difícil implementar uma nova variante. “Existindo aquela infraestrutura encostada à nossa malha urbana e praticamente a fazer a fronteira entre os municípios de Leiria e Marinha Grande, com pouco espaço para fazer uma variante, [pretende-se] usar esta via como variante”.

Depois de apresentar esta pretensão à concessionária da A8 – que o vereador reconhece ter sido recebida com alguma apreensão -, Carlos Caetano anunciou que o município irá “fazer o pedido formal ao IMT, entidade que tem a responsabilidade de tomar a decisão final”. O autarca admite que o ideal será alargar esta variante até ao acesso à A1, em Leiria. “Vamos tentar encontrar parceiros para irmos até à A1”, acrescentou o vereador.

Nota: Notícia originalmente publicada na edição impressa de 14 de fevereiro