Assinar Edições Digitais
Covid-19

Covid-19: Centro Hospitalar de Leiria pede à população para recorrer às urgências só em casos “mesmo urgentes”

Dos 245 casos confirmados em Portugal, fonte do Centro Hospitalar de Leiria revela que, até ao momento, não foi registado nenhum caso positivo na sua área de intervenção

Ficar em casa, contactar a linha SNS 24 e só depois, e se for esse o conselho transmitido pelos responsáveis de saúde, dirigir-se ao hospital.

O Centro Hospitalar de Leiria lança um apelo para que os cidadãos “sigam escrupulosamente as recomendações das autoridades de saúde e dos especialistas e que fiquem em casa para não contribuírem para o agravamento da pandemia do coronavírus”.

O recurso ao hospital só deve acontecer, realça, em caso de urgência mesmo urgente. “Se tiverem sintomas compatíveis com a infeção por coronavírus liguem para a linha SNS 24, 808 24 24 24 – mesmo que tenham que esperar algum tempo para ser atendidos, o que é compreensível dada a procura – e só depois, se for necessário e forem aconselhados nesse sentido, se desloquem ao hospital”, refere a nota divulgada esta tarde pelo CHL.

O Centro Hospitalar de Leiria, à semelhança dos todos os hospitais nacionais, vai passar a receber doentes infetados com a Covid-19, revelou ontem a ministra da Saúde, Marta Temido. “Estamos a passar de uma fase de tratamento em hospitais de referência em que todos os casos são internados, para uma fase em que com o aumento do número de casos será passada para a fase para tratamento em casa”, disse.

Ainda assim, até ao momento, o Centro Hospitalar de Leiria não registou nenhum caso positivo do novo coronavírus. No entanto, reforça o apelo para que “todos os utentes e, em particular, os que regressaram do estrangeiro e que têm sintomas de gripe (febre e tosse) e/ou tenham estado em contacto com pessoas diagnosticadas com o novo coronavírus, não se dirijam aos Serviços de Urgência, sem primeiro contactar a Linha SNS 24”.

“Os profissionais do Centro Hospitalar de Leiria e todos os profissionais de saúde do país estão a cumprir o seu dever. Cabe aos cidadãos também cumprir o seu.O mais importante é mesmo ficar em casa e cumprir as orientações dos especialistas e autoridades de saúde. E não facilitar, nunca”, conclui a mesma nota de imprensa.