A presidente da Associação Empresarial Ourém-Fátima (ACISO), Purificação Reis, reconheceu hoje que o surto de Covid-19 está já a ter consequências na hotelaria em Fátima, com “cancelamento de reservas e de viagens”.

Sem apresentar números, Purificação Reis, citada pela agência Lusa, disse que o surto “terá impacto em Fátima e fora de Fátima, em termos nacionais e internacionais”. No caso concreto da Cova da Iria, sublinhou “é um mercado de grande sensibilidade ao mercado internacional”.

Assegurando que os responsáveis da ACISO estão “muito atentos ao desenrolar da situação”, com as decisões a serem “tomadas diariamente”, Purificação Reis antecipou que “maio [mês da principal peregrinação aniversária ao Santuário de Fátima] terá algum impacto” ao nível de reservas, nomeadamente no que se refere a grupos organizados.

Os efeitos do surto de Covid-19 no turismo estiveram presentes na sessão de abertura dos VIII Workshops Internacionais de Turismo Religioso, que hoje começaram em Fátima, numa organização da ACISO, e que registaram o cancelamento de cerca de 20% das presenças previstas, apesar de estarem presentes representantes de 46 países.

Inicialmente, a organização esperava a presença de profissionais de 51 países.

Na sessão, Purificação Reis, ao falar do “contexto desfavorável” que atualmente se vive devido ao surto do novo coronavírus, disse ser “ainda cedo para perceber o quanto” serão significativos os impactos no setor.

Por seu turno, a secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, sublinhou que “o turismo é a economia da paz, das emoções e dos sentidos”, acrescentando que o turismo religioso em Portugal é um dos “vetores estruturantes” do setor.

A secretária de Estado frisou que o turismo religioso católico “não se esgota em Fátima”, evocando os números de visitantes que o Bom Jesus de Braga (1,2 milhões) e São Bento da Porta Aberta (1,7 milhões) tiveram no ano passado, destacando também a importância do Caminho de Santiago Central, “o segundo mais percorrido a seguir ao caminho francês”.

Também a herança judaica, que pode ser vivida em 25 pontos de 19 localidades nacionais, foi destacada por Rita Marques, para quem “é uma prioridade trabalhar o turismo religioso” no país.

Na sessão de abertura participaram também o reitor do Santuário de Fátima, os presidentes das câmaras de Ourém e da Guarda e um representante da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, que realçaram a importância do turismo religioso para o desenvolvimento do país.

A iniciativa visa a promoção de uma bolsa de contactos de negócio entre os participantes, a promoção internacional de Portugal enquanto destino privilegiado de turismo religioso e o fortalecimento da importância do turismo religioso no contexto do setor turístico mundial, segundo a organização.

Os trabalhos decorrem em Fátima hoje e na sexta-feira, enquanto no sábado terá lugar um Workshop sobre Turismo Judaico, na cidade da Guarda.

O próximo congresso eucarístico internacional, a realizar em Budapeste entre 13 e 20 de setembro deste ano, subordinado ao tema “Todas as minhas fontes estão em Ti. A Eucaristia: Fonte da nossa vida e da nossa missão cristã”, marcou também a manhã de trabalhos, com intervenções sobre o evento de Kornél Fábry , secretário-geral do congresso, e de Cecília Ivancsics-Schmidt, da Embaixada da Hungria em Portugal.