A maioria são microempresas familiares. Em março começava a época de trabalho, prolongando- se até setembro. A pandemia surpreendeu-as e é-lhes difícil prever quando regressam à atividade para garantir o emprego,mas sobretudo, como afirmam, “a sustentabilidade das famílias”.

Artigo exclusivo para os nossos assinantes

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é assinante, entre com a sua conta. Entrar