O Município de Leiria adquiriu 300 computadores e o mesmo número de sistemas de Internet para dar resposta aos alunos no acesso às aulas online, após o encerramento das escolas face à pandemia da Covid-19.

A falta de equipamento informático e de acesso à internet por parte de muitas crianças do concelho foi uma das preocupações manifestadas no VII Encontro de Associações de Pais e Encarregados de Educação com a vereadora da Educação, Anabela Graça.

A maior apreensão por parte das famílias, sublinha a câmara em nota de imprensa, prende-se com a gestão diária: filhos em diferentes graus de escolaridade, acesso simultâneo a sessões síncronas e assíncronas propostas pelas escolas, assim como a multiplicidade de plataformas usadas.

A autarca informou que o município avançou com várias medidas para dar resposta à situação criada pelo fecho das escolas, das quais se destaca a aquisição e empréstimo de 300 computadores e 300 sistemas de acesso à Internet para alunos do escalão A.

Anabela Graça explicou que estes estudantes foram sinalizados pelos respetivos agrupamentos e escolas secundárias, que complementam o empréstimo de todo o equipamento informático já presente nos estabelecimentos de ensino.

Outras preocupações enunciadas pelas 32 associações presentes no encontro, que decorreu numa plataforma digital, foram a manutenção dos programas de Atividades de Apoio a Alunos e Famílias (AAAF) e a Componente de Apoio à Família (CAF) nos meses que se avizinham, bem como o modelo de transportes escolares a adotar aquando do regresso às aulas presenciais para os alunos do 11.º e 12.º anos.

Foi também anunciado a criação da Linha de Apoio Psicológico, numa parceria entre a Equipa Multidisciplinar do Município e a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Leiria, a distribuição de equipamento de proteção individual (EPI) para as escolas que vão acolher aulas presenciais para o ensino secundário, bem como a manutenção das obras previstas para os jardins-de-infância e escolas do 1.º ciclo até ao final do verão.

A responsável pelo pelouro da Educação partilhou ainda a sua preocupação relativamente ao número reduzido de famílias que procura o serviço de refeições disponível nas escolas e anunciou uma campanha de informação mais dirigida e reforçada para apoiar aqueles que socialmente são mais vulneráveis.