Não vai ser desta que a Marinha Grande vai deixar de comemorar mais um aniversário do 25 de abril de 1974. As comemorações chegaram a ser dadas como canceladas no concelho, mas tudo indica que, apesar das restrições decorrentes da pandemia de Covid-19, a efeméride vai ser assinalada. A ideia é que discursos e espetáculos culturais continuem a fazer parte do programa.

Célia Guerra, responsável pela pasta da cultura no executivo da Marinha Grande, revelou na reunião de câmara da passada segunda-feira, 6, – realizada por videoconferência – que está a preparar um programa de comemorações. Tudo indica, todavia, que a revolução dos cravos venha a ser assinalada em ambiente virtual, via internet.

Um artista local a cantar o hino nacional, o discurso da líder do município, bem assim a entoação da música “Grândola, vila morena”, são algumas das possibilidades atualmente em equação. Estas atividades deverão ser seguidas on-line, tal como um espetáculo que estava programado para a data e que a autarquia está a negociar para transmitir via internet, pretendendo ainda assegurar um espetáculo “com um artista português” também para distribuir na internet.

A necessidade de marcar a efeméride, apesar da pandemia, foi sublinhada pelas vereadoras da CDU. “É uma data marcante e neste contexto ainda mais”, apontou Alexandra Dengucho. Lara Lino, também da CDU, sugeriu ainda que sejam envolvidos coletividades e também os alunos do concelho, com o envio de desenhos, poemas ou canções, que o edifício camarário seja decorado e que exista música alusiva à data nas ruas.

Célia Guerra adiantou estar recetiva a considerar as propostas comunistas, salientando que à semelhança do que acontece com os espetáculos que têm sido disponibilizados via internet no âmbito do programa “Marinha fica em casa”, os artistas são remunerados pelos espetáculos difundidos.