Portugal regista hoje 1.289 mortes relacionadas com a covid-19, mais 12 do que na quinta-feira, e 30.200 infetados, mais 288, segundo o boletim epidemiológico divulgado hoje pela Direção-Geral da Saúde.

Em comparação com os dados de quinta-feira, em que se registavam 1.277 mortos, hoje constatou-se um aumento de óbitos de 0,9%.

Relativamente ao número de casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus (30.200), os dados da Direção-Geral da Saúde (DGS) revelam que há mais 288 casos do que na quinta-feira (29.912), representando uma subida de 1%.

A região Norte é a que regista o maior número de mortos (725), seguida da região de Lisboa e Vale do Tejo (300), do Centro (233), do Algarve (15), dos Açores (15) e do Alentejo, que regista um óbito, adianta o relatório da situação epidemiológica, com dados atualizados até às 24:00 de quinta-feira, mantendo-se a Região Autónoma da Madeira sem registo de óbitos.

Segundo os dados da Direção-Geral da Saúde, 659 vítimas mortais são mulheres e 630 são homens.

Das mortes registadas, 866 tinham mais de 80 anos, 251 tinham entre os 70 e os 79 anos, 116 tinham entre os 60 e 69 anos, 40 entre 50 e 59, 15 entre os 40 e os 49 e um dos doentes tinha entre 20 e 29 anos.

A caracterização clínica dos casos confirmados indica que 576 doentes estão internados em hospitais, menos 32 do que na quinta-feira (-5,3%), e 84 92 estão em Unidades de Cuidados Intensivos, menos oito (-8,7%).

A recuperar em casa estão 20.745 pessoas.

Os dados da DGS precisam que o concelho de Lisboa é o que regista o maior número de casos de infeção pelo novo coronavírus (2.107), seguido por Vila Nova de Gaia (1.535), Porto (1.337) Matosinhos (1.257), Braga (1.199) e Gondomar (1.065).

Desde o dia 01 de janeiro, registaram-se 306.171 casos suspeitos, dos quais 2.257 aguardam resultado dos testes.

Há 273.714 casos em que o resultado dos testes foi negativo, refere a DGS, adiantando que o número de doentes recuperados subiu para 7.590 (mais 1.138, +17,6%).

A região Norte continua a registar o maior número de infeções, totalizando 16.596, seguida pela região de Lisboa e Vale do Tejo, com 9.106, da região Centro, com 3.664, do Algarve (358) e do Alentejo (251).

Os Açores registam 135 casos de covid-19 e a Madeira contabiliza 90 casos confirmados, de acordo com o boletim hoje divulgado. A DGS regista também 26.198 contactos em vigilância pelas autoridades de saúde.

Do total de infetados, 17.566 são mulheres e 12.634 são homens.

A faixa etária mais afetada pela doença é a dos 40 aos 49 anos (5.106), seguida da faixa dos 50 aos 59 anos (5.064) e das pessoas com mais de 80 anos (4.396 casos).

Há ainda 4.477 doentes com idades entre 30 e 39 anos, 3.806 entre os 20 e os 29 anos, 3.347 entre os 60 e 69 anos e 2.474 com idades entre 70 e 79 anos.

A DGS regista também 555 casos de crianças até aos nove anos e 975 de jovens com idades entre os 10 e os 19 anos.

De acordo com a DGS, 41% dos doentes positivos ao novo coronavírus apresentam como sintomas tosse, 29% febre, 21% dores musculares, 20% cefaleia, 15% fraqueza generalizada e 12% dificuldade respiratória. Esta informação refere-se a 90% dos casos confirmados.

Mais quatro casos ativos e cinco recuperações na região de Leiria

Entretanto, na região, com mais três casos de infeção desde ontem, Ourém é agora o terceiro concelho da região com mais casos confirmados (41) depois de Leiria (85) e de Pombal (65). No Bombarral, foi também diagnosticado mais um caso positivo para o novo coronavírus, o que eleva para 363 o total de doentes infetados no distrito de Leiria e concelho de Ourém.

O concelho de Castanheira de Pera, o único município que não tinha qualquer registo de infeções, já tem casos positivos mas por serem menos de três, não são divulgados pelas autoridades de saúde por “motivos de confidencialidade”.

Foram entretanto registadas mais cinco recuperações, duas em Alcobaça, uma em Alvaiázere, outra no Bombarral, e a última em Pombal.

No total,  contabilizam-se 252 recuperações na região, que correspondem a cerca de 69,5% dos casos.

Fonte: Comissão Distrital de Proteção Civil de Leiria,
municípios e autoridades de saúde

Com Lusa