A Associação das Termas de Portugal congratulou-se esta segunda-feira, dia 15, com o anúncio da reabertura da atividade termal – no distrito há duas unidades em funcionamento -, que estava suspensa desde meados de março devido à pandemia.

“As termas portuguesas já têm protocolos de higiene, de limpeza e de controlo bacteriológico muito apertados. O que fizemos foi adaptar os protocolos a esta nova realidade”, explicou Victor Leal, presidente da Associação das Termas de Portugal, que representa 46 estabelecimentos termais, que reabrirão nas próximas semanas.

“Antes da pandemia, o ano estava a ser muito positivo para a atividade termal, com crescimento na ordem dos dois dígitos e muitos agendamentos de termalistas. Nas próximas semanas acreditamos que a retoma seja real, apesar de sabermos que as pessoas precisam de tempo para ganhar confiança”, refere.

“As estâncias termais sempre mantiveram o máximo cuidado relativamente às condições de higiene e de segurança das suas instalações. É uma preocupação inerente à atividade termal”, garante Adriano Barreto Ramos, coordenador do consórcio Termas Centro.

“Por isso, podemos assegurar a todos os que nos procuram que o poderão fazer com toda a confiança e garantias”, adianta o responsável pelo consórcio, que reúne 20 estâncias termais, incluindo as Termas da Piedade (Alcobaça), Caldas da Rainha e Monte Real (esta com a atividade suspensa).