Um sapador florestal e um bombeiro foram retirados do teatro de operações. Foto: BVMG

Duas pessoas ficaram hoje com ferimentos ligeiros quando combatiam as chamas que lavram em Marinha da Mendiga, concelho de Porto de Mós, no Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros, disseram fontes da Proteção Civil.

Segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Leiria, há a registar durante esta tarde a retirada do combate de um sapador florestal, por inalação de fumos e exaustão, e de um bombeiro, com queimaduras ligeiras nos membros inferiores. Ambos foram transportados para para o Hospital de Santo André, em Leiria.

Às 17h12, o incêndio estava a ser combatido 207 operacionais, apoiados por 61 veículos e dois meios aéreos.

O alerta para o incêndio naquela localidade da União de Freguesias de Arrimal e Mendiga foi dado às 02h45.

De acordo com fonte do CDOS, o teatro de operações de combate às chamas está dividido em três sectores. Em dois dos sectores, o fogo encontra-se dominado em 90% da área, mantendo-se em curso nos restantes 10%. No terceiro, apenas metade se encontra em resolução, estando os meios de combate a recorrer a contra-fogo (fogo de supressão) na outra metade.

Já esta tarde,o presidente da Câmara de Porto de Mós disse que “o incêndio teve a sua origem em mão criminosa“, Jorge Vala afirma não ter dúvidas atendendo às circunstâncias em que o incêndio deflagrou, adiantando que “as autoridades estão a investigar”.

“Já arderam mais de 500 hectares, o que é uma perda significativa para o Parque Natural”, frisou ainda o autarca, no decorrer da reunião do executivo municipal.

Notícia complementada com mais informação às 18h05 de 6 de agosto de 2020