Ao início da tarde, o combate às chamas fazia-se com 168 operacionais e três meios aéreos Fotos: Joaquim Dâmaso

O incêndio no Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros, em Porto de Mós, reativou-se hoje de manhã.

Segundo fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Leiria, o reacendimento teve início pelas 10h31, com uma frente ativa.

Às 14h30, a página da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) indicava que estavam no combate ao incêndio no PNSAC, em Serro Ventoso, no concelho de Porto de Mós, distrito de Leiria, 168 operacionais, apoiados por 43 veículos e três meios aéreos.

O incêndio, que deflagrou às 1h40 de domingo em povoamento florestal, foi dado como em fase de resolução na segunda-feira, pelas 19h50, pelo comandante distrital de Leiria, Carlos Guerra, que admitiu a possibilidade de reacendimentos, pelo que o dispositivo se manteve reforçado no local.

“Este é um mérito de todos os operacionais, de todos quantos aqui estiveram, sapadores florestais, GNR… todos. Tiveram um esforço heroico durante estes dois dias. Foi de um desgaste físico notável. Foi muito exigente o combate neste terreno. Tenho de frisar o esforço que todos fizeram para chegarmos aqui, cerca de 43 horas depois, e vermos que o incêndio está resolvido”, salientou o comandante, numa conferência de imprensa no posto de comando.

A zona onde o incêndio se desenrolou é de difícil acesso para os operacionais apeados.

“Não me quero intrometer na gestão que o parque tem de fazer. Compreendo as questões da parte do parque natural e compreendo as questões que o ICNF tem de fazer sobre a gestão do seu território. Mas se me perguntam se gostaria de ter mais caminhos, eu diria que sim”, admitiu, acrescentando que a autarquia e a junta de freguesia têm procurado que se criem mais acessos no PNSAC.

Até segunda-feira ao final do dia, o incêndio tinha provocado seis feridos ligeiros: cinco operacionais e um civil, que foram assistidos no local.