Durante algum tempo a conversa entre amigos surgiu em tom de brincadeira: “chegámos a pensar até numa roulote, para participar de feiras”, lembra Rui Pereira, um tanto descrente da própria sugestão à amiga, Sandrine Gomes.

Passados dois anos, a ideia de abrir um negócio em conjunto, onde o leitão fosse a estrela, amadureceu e a 4 de julho a Leitão à Castelo abriu no início da Guimarota, em Leiria, com uma operação completamente voltada para a carne suína. No comando da loja, é a dupla que se completa entre a gestão e a experiência no trato do produto principal.

Leitão à Boa Vista: o produto apresentado segue o modo tradicional de confeção

Nas palavras do sócio, é a colega quem assume a figura de “mentora” do projeto, ao colocar em prática seis anos de experiência e trabalho diretamente com leitão. É ela, portanto, quem sabe “os segredos, a forma de cortar e de servir” a proteína assada tradicionalmente em forno a lenha e, por isso, resultou no “casamento perfeito” para o investimento de 30 anos de economias que o publicitário sonhava em fazer.

A sandes é uma das versões possíveis para provar o leitão no local ou levar

A apostar num mercado que acreditam ainda ser pouco explorado na cidade, a dupla foi atrás de uma matéria-prima que lhe desse qualidade e segurança para construir uma ementa inteira a partir de um único produto.

“Não acertámos à primeira”, conta Rui, ao se referir as muitas provas e testes até chegar na versão que têm agora e que por vezes esgota. Da Boa Vista vem o leitão, que segue o modo de confeção feito há quatro gerações pela mesma família, e faz os proprietários terem confiança no que servem. “Já não é preciso ir à Mealhada para comer um bom leitão”, garante o empresário.

A pizza de leitão é a aposta mais diferente da nova casa

Para provar isso, na ementa estão opções que vão desde o tradicional leitão inteiro, no retalho ou em dose – a acompanhar o menu com batata frita e laranja do Algarve –, passando pelos clássicos rissóis e sandes, até chegar a uma inventiva pizza que, para além da carne que é património nacional, leva também cogumelos, ananás, molho de tomate e queijo. “Quisemos oferecer uma opção que ninguém tem”, sublinha o gerente, antes de comunicar uma das poucas regras da casa: “Só há uma maneira de ser servir o leitão, ou é quente ou é frio. Nós não aquecemos”, avisa, explicando o que aprendeu com Sandrine: “A carne perde algumas propriedades e fica seca”. Por isso, quem quiser provar uma das receitas com o assado ainda quente,deve visitar a loja nos dois momentos do dia em que o suíno chega religiosamente fresco: às 11h30 e às 18h30.