A 15ª edição do World Press Cartoon abre portas este sábado, no Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha, onde ficará patente até 15 de novembro. A inauguração coincide com o espetáculo de entrega de prémio, que tem lugar esta noite, às 21h30.

A mostra, que pode ser visitada gratuitamente, tem em exposição 275 caricaturas, cartoons editoriais e desenhos de humor oriundos de 45 países.

Entre as caricaturas, destacam-se as da jovem ativista Greta Thunberg, do presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, e do presidente norte-americano, Donald Trump.

As caricaturas provêm de 150 publicações, tendo sido selecionadas por um júri internacional, entre cerca de mil candidatas.

Os melhores cartoons publicados pela imprensa em 2019 foram avaliados nas categorias editorial, caricatura e desenho de humor, cabendo ao vencedor um prémio monetário de 10.000 euros. As obras premiadas são provenientes da Alemanha, Brasil, Croácia, Grécia, México, Nicarágua, Portugal e Turquia.

A exposição foi adiada de maio para setembro devido às medidas de confinamento impostas por causa da pandemia de Covid-19.

“Abrimos, cumprindo todas as normas de segurança recomendadas pela Direção-Geral da Saúde”, garantiu o diretor do evento e presidente do júri, o ‘cartoonista’ António Antunes.

De forma a evitar ajuntamentos, “a gala deste ano será um espetáculo mais audiovisual e a apresentação contará com menos participantes”, acrescentou.

Na gala, vão ser apresentados os melhores trabalhos nas categorias editorial, caricatura e desenho de humor, cabendo ao vencedor um prémio monetário de 10.000 euros.

O espetáculo de abertura está a cargo dos italianos Luca e Tino e do humorista belga Elliot Jenicot, já conhecido de edições anteriores, e da orquestra ligeira Monte Olivett, dirigida pelo Maestro David Santos.

O World Press Cartoon tem como objetivo “distinguir, expor, divulgar e premiar os melhores desenhos publicados na imprensa mundial ao longo de um ano”, refere um comunicado da organização.

O júri deste ano é composto ainda por Jacuk Wiejacki (Polónia), Osmani Simanca (Cuba), Sabine Glaubitz (Alemanha) e Jean-Michel Renault (França).

Com redação