Assinar
SOS Ucrânia

Ajuda humanitária deixa a região rumo à Ucrânia e refugiados continuam a chegar

Leiria envia mais um camião, Porto de Mós encaminha 21 toneladas de apoio, Batalha recebeu refugiados e Pombal prepara-se para receber mais

Camião com ajuda humanitária que parte esta manhã de Leiria Foto: CML

Um camião parte esta manhã junto ao Estádio de Leiria, equipamento que tem acolhido refugiados ucranianos, com ajuda humanitária destinada à Ucrânia, acrescentado mais um esforço a cadeia de solidariedade que tem marcado a região.

Os últimos dias têm sido marcados por ações solidárias, consequência do ataque russo à Ucrânia e das reações que esta situação espoletou.

Ontem à noite, cerca de três dezenas de refugiados ucranianos chegaram à Batalha, procurando a segurança que o país de origem, atualmente, não consegue assegurar. 

Depois de testados à Covid-19, ao grupo proveniente do Leste da Europa, que contava com várias crianças, foram assegurados refeições e alojamento na vila.

Na Batalha, autoridades, sociedade civil, paróquia local e a Comunidade Ortodoxa da Batalha têm mobilizado esforços para reunir apoios para quem foge do conflito.

De acordo com a autarquia local, várias empresas manifestaram disponibilidade para receber os refugiados ucranianos. E até o Rancho Folclórico Rosas do Lena, da Rebolaria, “manifestou disponibilidade em acolher cerca de 30 refugiados nas suas instalações, que estão capacitadas para receber grupos, com todas as condições”.

Não muito longe, em Porto de Mós, o dia de ontem foi marcado pelo envio de 21 toneladas de bens para a Ucrânia.

O envio resulta de uma ação de solidariedade no concelho, e disponibiliza alojamento para acolher refugiados, vítimas da invasão da Rússia.

A “mega ação de solidariedade” recolheu 21 toneladas de artigos como medicamentos, produtos de primeiros socorros, equipamentos cirúrgicos, produtos alimentares infantis, conservas e produtos não perecíveis, leite, água, têxteis, roupa quente e calçado, ração animal, brinquedos, puericultura, produtos de higiene, pilhas e lanternas, bens que seguirão para a Polónia, de onde será feito o encaminhamento dos produtos para as zonas mais afetadas da Ucrânia, refere uma nota de imprensa da Câmara.

A autarquia adianta igualmente que estão a ser preparadas várias residências de acolhimento, nomeadamente na Quinta das Mirinhas, na freguesia de Porto de Mós, com capacidade para 50 pessoas, ou no Restaurante A Gralha, em Alvados, que disponibiliza 11 camas.

A campanha de solidariedade social decorreu junto da comunidade civil, entidades, empresas, juntas de freguesia, associações humanitárias e de bombeiros, escolas, grupos de escuteiros e outros.

“No sentido de fazer face às dificuldades que esta situação acarreta para a população de refugiados que começa a chegar à região, a autarquia criou uma Estrutura de Missão, que assenta na constituição de uma equipa multidisciplinar composta por técnicos das áreas da educação, ação social, psicologia, inserção profissional, proteção civil e jurídico”, lê-se no comunicado.

Segundo o município, alguns cidadãos da Ucrânia que chegaram a Porto de Mós foram acolhidos por familiares residentes no concelho.

Nestes casos, a Estrutura de Missão encontra-se a dar apoio a diversos níveis, de acordo com as necessidades de cada um, refere a nota.

Para ajudar na integração, está a ser efetuada a articulação com os estabelecimentos escolares, que vão receber crianças e a “ser preparado um conjunto de apoios ao nível pedagógico, nomeadamente no que diz respeito ao ensino da língua portuguesa, disponibilização de material escolar e comparticipação das despesas das refeições escolares, as duas últimas asseguradas pelo Município de Porto de Mós”.

No decorrer desta campanha de solidariedade, a sociedade civil foi convidada a participar através da cedência de instalações de acolhimento residencial, cuja disponibilidade pode ser transmitida ao município, que se encontra a constituir uma base de dados, através da qual fará o respetivo encaminhamento das famílias de refugiados.

Para ajudar as famílias recém-chegadas, o município apela à entrega de bens alimentares, produtos de higiene, brinquedos, artigos de puericultura e produtos de ajuda técnica, que deve ser feita nas juntas de freguesia ou nas associações de bombeiros.

Quem tiver alojamento disponível para ceder, poderá ligar para a linha de apoio 800 210 102 ou entrar em contacto através do email missão.ucrania@municipio-portodemos.pt, informa ainda a autarquia.

Pombal espera mais refugiados nos próximos dias

Entretanto, já este sábado, o município de Pombal fez o ponto de situação dos esforços locais de apoio à comunidade ucraniana. O município “tem estado a criar mecanismos de acolhimento e resposta, facilitando uma melhor integração dos cidadãos ucranianos no concelho”, assegura.

Um Gabinete de Acolhimento à Comunidade Ucraniana está a coordenar esse esforço que até ao dia de ontem se traduzia, de acordo com a Câmara de Pombal, no acompanhamento e apoio a “25 refugiados, dos quais 19 alojados em habitações de familiares e amigos, e seis em instalações temporárias criadas para o efeito”.

De acordo com a autarquia de Pombal, para este domingo “está prevista a vinda de mais seis cidadãos” que “irão alojar-se também em residências de familiares”.

Entretanto, este gabinete municipal “deu resposta positiva ao acolhimento de 15 cidadãos, que deverão chegar a Pombal durante a próxima semana, ficando alojados em centro de emergência temporário”.

A autarquia refere que está a assegurar “todo o apoio necessário, garantindo-lhes alimentação, produtos de higiene pessoal, bens de primeira necessidade e peças de vestuário, em articulação com outras entidades, instituições, lojas sociais, em conformidade com o Plano Especial de Apoio à Comunidade Ucraniana”.

A autarquia adianta que situações que necessitam de apoio podem ser informadas para sos-ucrania@cm-pombal.pt ou para a linha de apoio 236 210 578, podendo usar ainda a plataforma criada para o efeito

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.