Nem mais. Nidoparasitismo. Comportamento associado a determinadas aves que, não sabendo ou não querendo, construir o seu próprio ninho, optam por colocar os ovos em ninhos alheios. Com essa estratégia, a prol das aves parasitas passa a beneficiar do abrigo e cuidado parental, por parte das aves hospedeiras.

Em território europeu, a ave mais associada ao nidoparasitismo é o cuco – que se faz ouvir no início da primavera.

Por terras de Ourém, o nidoparasitismo associa-se, ampla e indiscutivelmente, ao executivo PSD, na Câmara Municipal.

Posto isto, cumpre, agora, esclarecer que, no mandato 2013/2017, o município avançou com diversos projetos de obras, tendo, inclusivamente, garantido financiamentos comunitários para a sua execução. Sem fazer uma descrição exaustiva de cada um, convém salientar que os que estão em causa (referentes a 2016) são, curiosamente, seis, e cujo valor ascende a 5,7 milhões de euros.

No atual mandato, foram, para já, apresentados cinco projetos, totalizando 632 mil euros. Poucochinho, convenhamos…

Com isto, estamos a falar de uma diferença percentual, cujas variáveis oscilam entre 89,9 (gestão PS) e 10,1 (gestão PSD). Tudo visto, tudo dito!

Por de tão poucochinho se tratar, o executivo PSD – até para desviar atenções de casos graves que se passam no concelho – decidiu fazer uma tournée pelas obras de gestão corrente. Contudo, por tão poucochinhas, alargou o périplo às da gestão anterior.

Cucos há muitos.

(Artigo publicado na edição de 27 de fevereiro de 2020 do REGIÃO DE LEIRIA)