Select Page

Tribunal de Leiria condena cinco pessoas por tráfico de substâncias dopantes

O Tribunal de Leiria condenou com penas suspensas cinco pessoas pela prática, em autoria material e na forma consumada, de um crime de tráfico de substâncias ou métodos proibidos, anuncia a página do Ministério Público de Leiria.

Segundo o acórdão divulgado, um dos arguidos foi condenado na pena de três anos de prisão e a outros dois foi-lhes aplicada, a cada um deles, uma pena de dois anos e cinco meses de prisão, todas suspensas por igual período.

O Tribunal de Leiria condenou ainda um outro arguido na pena de prisão de nove meses, a qual foi substituída “por 270 dias de multa num total de 1.620 euros”, enquanto o quinto arguido viu a pena de prisão de sete meses ser substituída por “210 dias de multa, o que perfaz um total de 1.260 euros”.

Durante o julgamento ficou provado que, “pelo menos no período compreendido entre os meses de janeiro e agosto de 2013, dois dos arguidos procederam à compra de substâncias, tais como testosterona propionato, EPO (eritropoietina), HC/hGH (hormona de crescimento), IGF-1, TB-500, AICAR, as quais venderam a um terceiro arguido e a outras pessoas”, nomeadamente “atletas participantes em competições desportivas, fazendo-o em diversos locais de Caldas de Rainha, Leiria, Lisboa, Malveira e zonas limítrofes”.

Na sentença lê-se ainda que “na posse destas substâncias o terceiro arguido, treinador e ciclista profissional participante em competições desportivas, desenvolveu um negócio na zona de Leiria que envolvia, entre outras, a prática de terapias com ozono, por via intravenosa, e outros métodos não permitidos pela legislação antidopagem no desporto”.

“Tais tratamentos e substâncias eram ministrados a si próprio e recomendados ou ministrados a terceiros, atletas participantes em competições desportivas, nomeadamente aos outros dois arguidos, mediante contrapartida monetária”, refere ainda o documento.

Para o Tribunal, todos os arguidos sabiam que a “toma das mencionadas substâncias era passível de aumentar a performance desportiva dos atletas que das mesmas beneficiavam, assim alterando a verdade desportiva das competições e, em consequência, adulterar a autenticidade, fidelidade e rigor destes eventos e o seu resultado, e ainda de colocar em risco a saúde dos atletas”.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

Concorda com a mudança de nome do Estádio de Alvalade para Estádio Cristiano Ronaldo?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo

Share This