Select Page

Oeste abdica de querer ser Capital Europeia da Cultura 2027 para apoiar Leiria

Alcobaça e Torres Vedras formalizaram quarta-feira o apoio à candidatura de Leiria a Capital Europeia da Cultura Foto: CMA

A Comunidade Intermunicipal do Oeste decidiu não se candidatar a Capital Europeia da Cultura 2027 para apoiar a candidatura da cidade de Leiria, disse terça-feira, dia 14 de novembro, o presidente da OesteCim. A garantia de apoio do Oeste havia sido previamente revelada pelo coordenador da candidatura de Leiria, Paulo Lameiro.

“O presidente da Câmara de Leiria pediu-nos apoio e, como estamos muito atrasados em termos de estudo e Leiria está mais adiantada, já tem atividades planificadas e tem uma estratégia definida, deixámos de ter a intenção de nos candidatarmos a Capital Europeia da Cultura para apoiar Leiria”, afirmou Pedro Folgado à agência Lusa.

A intenção dos 12 municípios da região Oeste tinha sido manifestada em abril.

O presidente da OesteCim adiantou que, depois do apoio generalizado da região à candidatura da cidade de Leiria, cabe a cada município avaliar a cooperação a estabelecer.

Na terça-feira, 14 de novembro, a Câmara de Torres Vedras aprovou vir a estabelecer uma parceria com Leiria nesse sentido.

Também a Comunidade Intermunicipal da Região de Leiria (CIMRL) declarou “apoio incondicional” à candidatura de Leiria a Capital Europeia da Cultura em 2027.

Quarta-feira, dia 15 de novembro, na sequência da decisão da OesteCim, Alcobaça e Torres Vedras assinaram o documento de apoio à candidatura de Leiria, numa cerimónia que teve lugar no Parque de Negócios de Alcobaça.

Em 22 maio de 2015, o presidente da Câmara de Leria, Raul Castro, disse acreditar que o município estará preparado para se candidatar a Capital Europeia da Cultura em 2027, destacando o património do concelho como “único no país”.

Já em setembro de 2016, Raul Castro declarou que o objetivo principal da candidatura de Leiria é o de transformar o futuro, as pessoas e o território e “não se resume a um ano cheio de expectativas”.

“A minha convicção não se limita a 365 dias de eventos e espetáculos. Leiria não precisa de fogo-de-artifício e de algumas pessoas contratadas para irem apanhar as canas e limparem as ruas, como quando a folia desaparece e resta o desperdício que não mais se recupera”, sublinhou então Raul Castro, considerando que a cidade alcançou, nos últimos anos, “uma espécie de cluster cultural através vários espaços museológicos existentes e por aqueles que, entretanto, vão nascendo”.

Por isso, a Capital Europeia da Cultura em Leiria assumirá também o objetivo de “revelar toda a riqueza cultural que a região de Leiria tem para mostrar”, acrescentou.

A OesteCIM integra os municípios de Alcobaça, Alenquer, Arruda dos Vinhos, Bombarral, Cadaval, Caldas da Rainha, Lourinhã, Óbidos, Nazaré, Peniche, Sobral de Monte Agraço e Torres Vedras.

3 Comentários

  1. Vasco

    Mais uma típica guerra de capelinhas. Coimbra é principal cidade da região por isso é a grande candidata.

    Responder
  2. Filipa G

    Guerra de capelinhas. Leiria devia apoiar a candidatura da capital regional Coimbra.

    Responder
  3. Francisco

    A região Oeste e a região de Leiria são duas região completamente distintas como por exemplo no sector económico e também no sector cultural.
    A OesteCim ainda vai ter que explicar quais são os benefiíios deste apoio.

    Responder

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Siga-nos

Primeira Página

Publicidade

Pergunta da semana

A carregar

Concorda com o regresso dos guardas florestais?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Semana de Moldes 2018

Share This