O papel da arte na saúde e bem-estar das pessoas é o convite para uma reflexão e formação, esta quinta e sexta-feira, no 7.º Encontro Internacional Saúde com Arte (EISA), que decorre em Leiria.

A iniciativa é da SAMP (Sociedade Artística Musical dos Pousos), em parceria com o Centro Hospitalar de Leiria (CHL), e reúne especialistas nacionais e internacionais em torno do tema “Do nascimento à morte: teias humanas”.

O programa inclui ainda uma reflexão teórica sobre a vida e a morte, analisando a missão das artes nestes momentos, bem como a realização de oficinas, para reforçar a componente prática e proporcionar a troca de experiências entre participantes. No dia 7 de fevereiro, a partir das 9 horas, o programa dedica-se aos cuidados paliativos e como “Renascer com as artes em comunidade”.

O Encontro Internacional Saúde com Arte 2020 é dirigido a artistas, musicoterapeutas, educadores e professores, profissionais de saúde, assistentes sociais e animadores socioculturais, e está aberto a estudantes e ao público em geral.

Todos estão convidados para o clássico concerto performance que acontece na Consulta Externa do Hospital de Santo André, em Leiria, às 21h30,  com o mote “Do primeiro Som à última Escala”, dedicada à temática do nascimento, desde a gestação à primeira infância e o surgir da patologia. O espetáculo envolve músicos e artistas da SAMP e profissionais de saúde, com direção de David Ramy.

Ao longo dos anos, a instituição tem lançado programas que abordam a relação humana com a música, do nascimento à morte, incluindo a doença física e mental e o encontro deste ano não é diferente.

Entre os convidados conta-se o investigador e filósofo Paulo Borges, o pedagogo e consultor científico Américo Peças, o fundador dos Concertos para Bebés Alberto Roque ou o encenador e professor Andrzej Kowalski.

Consulte o programa completo e informação sobre os oradores convidados no blogue do EISA.

Foto: SAMP