Se os números de infeção por Covid-19 estão a bater recordes em Portugal, a região de Leiria tem registado nos últimos dias vários casos de contágio, o que se traduz em balanços diários também bastante elevados.

Nas últimas 24 horas, as autoridades de saúde da região identificaram 44 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, 30 dos quais associados ao surto do lar de Alvaiázere.

Na passada quarta-feira, a autarquia de Alvaiázere comunicou a existencia de um surto no Lar da Associação da Casa do Povo Maçãs de Dona Maria, com sete utentes e dois funcionários infetados.

Ontem, ao final do dia, o Município atualizou os dados, explicando que dos cerca de 150 testes realizados aos utentes, funcionários e dirigentes da Associação, 30 dos 76 utentes estão positivos, assim como dez funcionários, de um total de 73.

A infeção pelo novo coronavírus no lar foi conhecida após um utente, “com outros problemas de saúde, ter sido internado”.

Na segunda-feira, estudantes, professores e funcionários da Escola 2,3 CEB/S Dr. Manuel Ribeiro também irão ser testados, pelo que é expectável que nos próximos dias possam aparecer mais casos de contágio no concelho de Alvaiázere.

Dos restantes 14 casos positivos identificados na região (distrito de Leiria e concelho de Ourém) desde ontem, há registo de mais sete situações em Leiria, três na Batalha, duas em Alcobaça, uma em Pombal e outra em Porto de Mós.

Com 1.858 casos de infeção confirmados na região desde o início da pandemia, 417 mantêm-se ativos, sendo este o maior número de casos ativos registado desde março.

Há ainda 1.392 casos de recuperação, 13 dos quais desde ontem: cinco em Porto de Mós, quatro no Bombarral, dois em Pombal, um em Alcobaça e outro na Marinha Grande.

Fonte: Comissão Distrital de Proteção Civil de Leiria, CimOeste, Cim Médio Tejo e municípios

Portugal regista mais 13 mortos e 2.153 infetados

Portugal regista mais 13 mortos e 2.153 casos de infeção relacionados com a pandemia de covid-19, indicou hoje a Direção-Geral da Saúde (DGS).

De acordo com o último boletim, hoje divulgado, desde o início da pandemia Portugal contabilizou 98.055 casos confirmados e 2.162 óbitos.

Em vigilância, permanecem 52.543 contactos, mais 759 do que nos dados revelados na sexta-feira.

Os dados hoje divulgados revelam ainda mais 1.853 casos recuperados, perfazendo um total de 57.919.

Portugal conta com 37.974 casos ativos, mais 287 do que na sexta-feira.

Por região, o Norte concentra 38.281 casos confirmados, uma subida de 1.124 casos face a sexta-feira, e 950 mortes, mais seis do que no dia anterior.

Lisboa e Vale do Tejo, por seu turno, têm 47.027 casos confirmados, mais 781 do que no dia anterior, e mais cinco óbitos, totalizando 871.

Já o Centro regista mais 149 casos confirmados para 7.983 e as mortes permanecem inalteradas em 277.

O Alentejo contabiliza 1.956 casos confirmados, o equivalente a uma subida de 42 casos em comparação com sexta-feira, e 27 óbitos, mais um.

A região do Algarve tem hoje notificados 2.171 casos, o que se traduz num aumento de 47 casos, e 22 óbitos, mais um do que no dia anterior.

A Madeira continua sem registar óbitos e apresenta mais três casos confirmados, totalizando 320, enquanto os Açores adicionaram mais sete casos, contabilizando 317, e o número de mortos não sofreu alterações, continuando assim em 15.

Por sua vez, em internamento estão 1.014 pessoas, menos uma do que na sexta-feira.

Nas unidades de cuidados intensivos estão internados 148 doentes, mais quatro face ao dia anterior.

Do total de casos confirmados, 53.433 são mulheres e 44.622 homens.

O novo coronavírus já causou, em Portugal, a morte de 1.087 homens e 1.075 mulheres.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais 39,3 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.