Assinar
Covid-19

Covid-19: Região de Leiria soma 113 novas infeções e 90 recuperações

Maioria dos novos casos e recuperações reporta-se aos concelhos de Leiria, Caldas da Rainha e Alcobaça

imagem microscópica em 3D do coronavírus

Os casos ativos voltaram a subir na região de Leiria depois de terem sido reportados mais 113 testes positivos e 90 recuperações desde ontem, sábado.

O concelho de Leiria volta a destacar-se com mais 29 infeções, seguindo-se Caldas da Rainha com mais 19 e Alcobaça com mais 16. Estes três municípios concentram também a maioria das recuperações, sendo que os dados referentes a Caldas da Rainha e Alcobaça são relativos aos últimos dois dias.

Nas Caldas, foi dada alta a 25 pessoas infetadas, em Alcobaça a 22 e em Leiria a 21.

As restantes 22 recuperações distribuem-se pelos concelhos de Peniche e Pombal (sete cada), Marinha Grande (seis) e Nazaré (duas).

Quanto aos outros 49 casos positivos, foram detetados na Marinha Grande e em Pombal (12 cada), Batalha (sete), Porto de Mós (seis), Nazaré e Ourém (quatro cada), Peniche (três) e Óbidos (um).

Desde o início da pandemia, foram confirmados 36.706 casos de infeção pelo novo coronavírus e sinalizados 903 óbitos devido a complicações associadas à doença.

Até este domingo, recuperaram 34.366 pessoas, cifrando-se hoje em 1.437 o total de casos ativos na região (mais 23 do que ontem).

Leiria mantém o maior número de casos ativos (490), seguindo-se Pombal (259), Marinha Grande (140), Ourém (113) e Alcobaça (101). Apenas Alvaiázere não possui casos ativos de entre os 17 municípios da região.

Fonte: Comissão Distrital de Proteção Civil de Leiria, Unidade de Saúde Pública do Médio Tejo e municípios. Dados acumulados desde o início da pandemia em março de 2020.

Os dados divulgados pelo REGIÃO DE LEIRIA referem-se aos 16 concelhos do distrito de Leiria e ao concelho de Ourém que, apesar de pertencer ao distrito de Santarém, mantém com Leiria grande proximidade e tem o Hospital de Santo André como hospital de referência.

Mais 1.190 infeções e mais 13 mortes em Portugal

Portugal registou 1.190 novas infeções com o vírus da Covid-19 e 13 mortes atribuídas à doença nas últimas 24 horas, mantendo-se praticamente invariável o número de internados.

Segundo os dados oficiais de hoje, estão internadas nos hospitais, infetadas com o coronavírus SARS-CoV-2, 665 pessoas (mais uma do que no sábado), 138 delas em unidades de cuidados intensivos (menos uma).

De acordo com o boletim da Direção-geral da Saúde (DGS), as 1.190 novas infeções foram, na sua maioria, diagnosticadas na região Norte (460) e na região de Lisboa e vale do Tejo (367). Os 13 óbitos atribuídos à doença ocorreram no Algarve (seis), Norte (duas), Centro (duas), Lisboa e Vale do Tejo (duas) e Alentejo (uma).

Uma destas vítimas mortais era uma mulher que tinha entre 40 e 49 anos de idade. As outras 12 tinham todas mais de 60 anos: uma tinha entre 60 e 69, uma tinha entre 70 e 79 e as restantes dez estavam na faixa etária acima dos 80 anos de idade.

Foi no grupo etário entre os 20 e os 29 anos de idade que se registaram mais novas infeções nas últimas 24 horas (mais 252).

Seguem-se os que têm entre 10 e 19 anos (mais 192), o grupo entre os 30 e os 39 (mais 163) e aqueles que estão entre os 40 e os 49 (mais 162).

Os casos ativos de infeção em Portugal são agora 42.423, mais 65 do que no sábado, sendo que as autoridades mantêm em vigilância 42.469 contactos, segundo o boletim da DGS deste domingo.

Desde o início da pandemia em Portugal, em março de 2020, já foram confirmadas no país 1.047.047 infeções e 17.798 mortes atribuídas à doença Covid-19. Do total de vítimas mortais, 9.335 eram homens e 8.463 eram mulheres.

Recuperaram entretanto da infeção 986.826 pessoas, 1.112 das quais desde ontem.

A taxa de letalidade ronda os 1,7% e a de recuperação 94,25%.

Com Lusa

(Notícia atualizada às 15h50 com dados nacionais)

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.