Assinar


Covid-19

Covid-19: Governo reforça apelo à vacinação e assegura “todos os cenários” face ao aumento de casos

Este fim de semana, os Centros de Vacinação Covid-19 funcionam em regime de “casa aberta” para vacinação dos maiores de 80 anos contra a gripe e/ou a Covid-19

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde reforçou hoje o apelo à vacinação dos idosos e assegurou que “todos os cenários estarão sempre em aberto” quanto à necessidade de medidas para responder ao aumento de casos de Covid-19.

“A nossa primeira preocupação é exatamente esta: vacinar, vacinar, vacinar, porque percebemos que é muito importante que as faixas mais vulneráveis da nossa população possam ser o mais rapidamente possível vacinadas, precisamente pelo aumento de casos que verificamos na Europa, em toda a Europa, portanto temos que defender a nossa população, temos que defender o nosso país”, afirmou António Lacerda Sales.

Este fim de semana, os utentes com mais de 80 anos podem dirigir-se aos Centros de Vacinação Covid-19 sem marcação prévia, para receber a vacina contra a gripe e/ou a terceira dose da vacina contra a Covid-19 FOTO: JOAQUIM DÂMASO/ARQUIVO

No âmbito de uma visita ao centro de vacinação de Odivelas, instalado no Pavilhão Multiusos deste concelho do distrito de Lisboa, pelas 12 horas, acompanhado da diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, do coordenador do núcleo de coordenação do plano de vacinação contra a Covid-19, coronel Carlos Penha-Gonçalves, e do presidente da Câmara Municipal de Odivelas, Hugo Martins (PS), o secretário de Estado Adjunto e da Saúde revelou que hoje, em pouco mais de duas horas, foram administradas em todo o país 12 mil vacinas contra a Covid-19 e 17 mil vacinas contra a gripe.

Os Centros de Vacinação Covid-19 estão abertos hoje e amanhã, domingo, para as pessoas com 80 ou mais anos que queiram vacinar-se contra a gripe e com a dose de reforço da vacina contra a Covid-19, sem necessidade de qualquer tipo de marcação ou contacto prévio.

Estará também disponível o agendamento local para os utentes elegíveis, devendo as pessoas consultar o horário de funcionamento do CVC da sua área de residência.

Os utentes continuam a ser convocados através de uma (SMS) para a toma em simultâneo da vacina contra a gripe e contra a Covid-19 ou apenas para a vacina contra a gripe (se não forem elegíveis para Covid-19), esclarece a Direção-Geral da Saúde (DGS) na sua página oficial.

Está também disponível o autoagendamento das vacinas para pessoas com 70 ou mais anos, em https://covid19.min-saude.pt/pedido-de-agendamento/.

“Todos os cenários estarão sempre aberto” face ao aumento de casos

Questionado sobre a necessidade de medidas, inclusive controlo de fronteiras no Natal, para responder ao aumento de casos de Covid-19 em Portugal, nomeadamente a previsão de o país ultrapassar dentro de 15 a 30 dias os 240 casos de infeção a 14 dias por 100 mil habitantes, Lacerda Sales respondeu: “O que é preciso é irmos fazendo uma avaliação e uma ponderação em função da evolução epidemiológica, eu acho que isso é que é muito importante e abrir sempre todos os cenários em função dessa evolução”.

“É termos vários cenários em função daquilo que é a nossa evolução epidemiológica, porque nós não somos uma ilha, sabemos que os casos estão a crescer na Europa, portanto não sendo nós uma ilha e tendo obviamente conexões com outros países, temos que nos defender obviamente e, por isso, todos os cenários estarão sempre aberto, mas também sempre monitorizados por aquilo que são os indicadores da evolução epidemiológica”, reiterou o governante.

Sobre a possibilidade de regresso a medidas restritivas, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde frisou que “todos os cenários são mesmo todos os cenários”, referindo que, neste momento, existem países na Europa que estão recuar e a voltar a outras restrições.

“Nós, neste momento, como é sabido, ainda temos uma evolução moderada de casos, estamos com cerca de 135 casos por 100 mil habitantes a 14 dias e com um índice de transmissão que anda em 1,15”, indicou.

Lacerda Sales disse ainda que, além do reforço da vacinação contra a Covid-19, é importante que se cumpram todas as diretrizes da Direção-Geral da Saúde (DGS), inclusive o uso da máscara obrigatório em espaços fechados e recomendado em espaços abertos, a higienização das mãos e o distanciamento físico.

Perante a tendência crescente do número de casos diários de Covid-19, o governante deixou uma mensagem de “cautela e prevenção”, frisando que as pessoas elegíveis para a administração da terceira dose devem ser vacinadas e que todos devem continuar a cumprir com as normas da DGS para evitar o contágio do vírus SARS-CoV-2.

Portugal com mais 1.816 infeções e oito mortes nas últimas 24 horas

Portugal pode ultrapassar dentro de 15 a 30 dias os 240 casos de infeção a 14 dias por 100 mil habitantes, estimam as “linhas vermelhas” da pandemia de Covid-19, que alertam para mais procura dos serviços de saúde.

“O Rt (índice de transmissibilidade) apresenta um valor igual ou superior a 1, indicando uma tendência crescente da incidência de infeções por SARS-CoV-2 a nível nacional (1,15) e em todas as regiões”, adianta a análise de risco da pandemia, divulgada na sexta-feira.

Nas últimas 24 horas, foram contabilizados 1.816 novos casos positivos em Portugal e oito mortes associadas à doença. Recuperaram 1.107 pessoas, cifrando-se hoje o total de casos ativos em 36.925 (mais 701 do que ontem).

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.242 pessoas e foram confirmados 1.106.005 casos de infeção, segundo o relatório deste sábado da DGS.

A Covid-19 provocou mais de cinco milhões de mortes em todo o mundo, entre mais de 251,87 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Com redação

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.