O Gabinete Económico e Social da Região de Leiria anunciou 37 medidas para ultrapassar os efeitos económicos e sociais da covid-19 no período pós-pandemia, que contaram com o contributo de 100 pessoas das mais diversas áreas.

Entre as medidas apresentadas, esta segunda-feira, pelo Gabinete Económico e Social da Região de Leiria (GESRL) conta-se a utilização de ‘social bonds’ (títulos de impacto social), que permitirá às autarquias constituírem-se investidores sociais e compensar as empresas que cumpram com os resultados contratualizados através de metas e indicadores sociais mensuráveis.

A criação de uma moeda local digital, a emitir pela CIMRL com o objetivo de incentivar o consumo no comércio de proximidade, é outra das propostas incluídas no Plano de Ação do GESRL.

O Gabinete foi criado pela Comunidade Intermunicipal da Região de Leiria (CIMRL), Associação Empresarial da Região de Leiria e Politécnico de Leiria,

As medidas, que não têm caráter vinculativo e destinam-se a diferentes entidades coordenadoras, resultam do esforço e contribuição voluntária de aproximadamente 100 pessoas, organizadas em 10 grupos de trabalho temáticos, adianta o documento.

Do plano consta também a execução de um programa de distribuição alimentar reforçado, com o apoio da rede solidária de instituições particulares de solidariedade social e autarquias.

Criação de espaços de contacto familiar nas estruturas residenciais para idosos e lares, e uma conceção de abordagens que facilitem gradualmente o contacto físico entre idosos e respetivas famílias também são sugestões que constam no plano.

O gabinete propõe-se ainda constituir uma “reserva funcional” de equipamentos de proteção individual, com identificação de potenciais produtores, em vez de ser criada uma reserva física destes equipamentos.

Garantir um destino turístico seguro é outra recomendação, sugerindo-se o mapeamento do património natural e edificado da região, onde se possa manter alguma distância entre as pessoas, e a criação de uma plataforma digital para a sua promoção.

Integra-se nesta proposta o turismo gastronómico, etnográfico e patrimonial, mas também programação cultural a ser contratada a artistas locais.

A criação de um laboratório de ‘next generation sequencing’ (NGS) e epidemiológico, no Centro de Inovação em Tecnologias e Cuidados de Saúde (ciTechCare) do Politécnico de Leiria, que permita fazer, não só o diagnóstico, mas também (e sobretudo) a vigilância epidemiológica da covid-19, foi outra das propostas.

“A vigilância epidemiológica permitirá ‘fenotipar’ a população da região de Leiria covid-19 positiva, recuperada e em risco, cruzando a informação NGS com a clínica de todos os indivíduos testados e, assim, definir o perfil de risco duplo”, acrescenta.

Conhecer o grau de imunização da população na região de Leiria e, assim, contribuir para melhor a tranquilizar na fase de alívio das medidas de confinamento é mais uma das medidas.

Entre as 100 pessoas que contribuíram para este Plano de Ação contam-se profissionais, empresários, associações sectoriais, representantes de organismos públicos, professores e investigadores.